O homem que estava barricado num supermercado em Vila Nova de Poiares desde quinta-feira à tarde foi detido pela GNR, na tarde desta sexta-feira.

O porta-voz da GNR, Bruno Marques, disse que o homem foi detido após “a intervenção tática” dos militares da guarda, que culminou com a detenção do suspeito “em segurança”, apesar de o homem “ter resistido à detenção”.

A intervenção realizou-se, segundo Bruno Marques, “por motivos de segurança do próprio indivíduo”, que tinha na sua posse duas armas e que terá tentado assaltar o supermercado na tarde de quinta-feira.

O homem foi conduzido sob detenção ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra para avaliação psiquiátrica.

O tenente-coronel Henrique Armindo, segundo comandante do Comando Territorial de Coimbra, disse que o indivíduo "não sofreu ferimentos nenhum, pelo menos aparente, e foi conduzido sob detenção ao hospital para uma avaliação psiquiátrica".

Segundo Henrique Armindo, o homem não se rendeu e foi necessário atuar "e usar a força sem sequências de maior, para a segurança dele e dos nossos militares".

Na operação tática, foram usadas armas não letais e a força física, acrescentou.

Ele estava armado, tinha duas armas, uma pistola e uma caçadeira, mas não as conseguiu utilizar", salientou o oficial, acrescentando que o homem "estaria muito cansado, um pouco desorientado e, portanto, com a ação acabou por não conseguir resistir".

O segundo comandante do Comando Territorial de Coimbra salientou que a "GNR fez tudo para que não houvesse qualquer ferimento ou qualquer problema para o homem e militares.

O indivíduo, que é emigrante em França, será presente a tribunal logo que esteja concluída a avaliação psiquiátrica.

De acordo com Henrique Armindo, a ação do detido terá a ver com "problemas antigos de partilhas de terrenos e negócios mal resolvidos", que envolvem parte do local onde está implantado o supermercado.

O homem entrou no supermercado na quinta-feira cerca das 17:15, quando se encontravam no seu interior vários clientes, mas não fez reféns nem procurou roubar o dinheiro das caixas registadoras.

Segundo a GNR, chegou a efetuar alguns disparos para o ar, que ainda não foram quantificados, e agrediu um funcionário com uma coronhada, quando se cruzaram nas escadas de acesso ao primeiro andar do edifício.

O ferido foi transportado aos hospitais de Coimbra, mas já teve alta.