As autoridades já terminaram as buscas para encontrar o britânico desaparecido na barragem de Santa Clara, em Ourique, que duraram 17 dias, sem que o corpo tenha sido encontrado, disse hoje à agência Lusa fonte dos bombeiros.

As buscas terminaram na quarta-feira, cerca das 19:00, porque, através de vários meios, "foi batida a área da barragem referenciada e que devia ser batida”.

“O tempo já vai longo e o corpo não foi encontrado", disse o comandante dos Bombeiros Voluntários de Ourique, Mário Batista.

O britânico, de 29 anos, está desaparecido desde o passado dia 20 de agosto, após ter caído à água na barragem de Santa Clara, no concelho de Ourique, no distrito de Beja, no Alentejo.

Segundo o comandante, neste tipo de afogamento, "normalmente, um corpo vem à superfície ao fim de seis, sete dias".

Foram feitas "buscas de mergulho durante 10 dias, depois buscas aquáticas com embarcações a bater a barragem e a vigiar as margens”.

O corpo deve estar preso nalgum sítio da albufeira da barragem e já não é viável ter meios lá", por isso "foi decidido retirar todos os meios e elementos e terminar as buscas", explicou.

A profundidade, que chega aos 32 metros, a falta de visibilidade a partir dos 16 a 17 metros de profundidade, a existência de escarpas e o fundo muito irregular da barragem dificultaram as buscas, segundo o comandante.

As buscas envolveram uma média diária de 50 a 60 elementos apoiados por 21 veículos e seis embarcações de várias entidades, nomeadamente dos bombeiros voluntários de Ourique, Odemira, Beja, Mértola, Serpa, Moura, Aljustrel e Carcavelos, das unidades de salvamento aquático de Faro, Portalegre, Santarém, Leiria e Setúbal, da Força Especial de Bombeiros, da GNR e do Instituto Nacional de Emergência Médica, precisou.

As buscas contaram com o apoio logístico da Câmara de Odemira e da Junta de Freguesia de Santana da Serra e do Comando Distrital de Operações de Socorro de Beja.

Segundo Mário Batista, o homem integrava um grupo de 10 pessoas de nacionalidade britânica que estava a navegar na barragem, sendo que seis seguiam a bordo de uma embarcação e quatro numa na boia em forma de banana, que era rebocada pelo barco.

"As quatro pessoas que estavam na boia caíram à água, tendo três voltado para o barco e um homem está dado como desaparecido", explicou.

O alerta para o desaparecimento foi dado às 16:54 de 20 de agosto, tendo sido iniciadas as buscas, que foram sendo suspensas ao final da tarde e retomadas ao início da manhã dos dias da operação.

As buscas terminaram definitivamente na quarta-feira.

Segundo a cadeia de televisão Sky News, o britânico estava a passar férias no sul de Portugal com a família de Jon Hunt, milionário do ramo imobiliário do Reino Unido e fundador da Foxtons, uma das principais agências imobiliárias do país.

Já o jornal britânico Telegraph indicou que o homem, que era amigo do filho de Jon Hunt, estava a passar férias com a família na zona de Ourique, onde o empresário britânico possui várias propriedades.