A Administração do Porto de Aveiro (APA) disse estar a acompanhar com preocupação a situação dos 19 tripulantes no navio "Voruta", que se encontra arrestado há mais de três meses no Porto de Aveiro.

O navio deu entrada a 01 de maio no Porto de Aveiro para carregar cimento e deveria partir no prazo de uma semana com destino a Malabo, na Guiné Equatorial, mas ainda permanece acostado no Terminal Norte.

Em declarações à Agência Lusa, o presidente da APA, Pedro Braga da Cruz, disse que o navio, com bandeira da Lituânia, está impedido de sair do Porto de Aveiro devido a um arresto judicial da embarcação, por dívidas do armador.

O mesmo responsável disse que se trata de uma situação "muito delicada", adiantando que espera que o problema esteja ultrapassado em breve e que o navio possa deixar o porto.

"O problema mais grave para a APA é o social. É das pessoas que estão a bordo que estão presas ao navio e que têm que ir vivendo", disse à agência Lusa, Braga da Cruz.


O caso tem estado a ser gerido pelo agente de navegação do navio (empresa que representa o armador em território nacional), que nega que os tripulantes estejam a passar por dificuldades.

"Os tripulantes não estão presos, porque são comunitários e podem entrar e sair quando quiserem. Todos os dias vão à cidade (Gafanha da Nazaré). Ainda esta semana abastecemos o navio com provisões, no valor de mais de dois mil euros", disse um representante do agente de navegação.


A mesma fonte referiu ainda que, atualmente, estão a decorrer obras no gerador do navio e espera que a embarcação possa zarpar do porto até ao final deste mês.