O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa proibiu Manuel Carrilho de se aproximar de Bárbara Guimarães por suspeita de violência doméstica.

O ex-ministro está impedido de contactar a apresentadora, excepto para cumprir deveres parentais. Segundo o despacho a que o jornal «Público» teve acesso, esta decisão foi tomada a 28 de janeiro e «é inegável que (...) se verifica em concreto o perigo de continuação da atividade criminosa, traduzindo-se este nas condutas reiteradas do arguido contra a ofendida».

Para além da ordem de restrição, a apresentadora também processou o ex-marido por difamação, pelas declarações que prestou à imprensa, ao acusá-la de alcoólica e de não cuidar dos filhos.

Ao «Público», Carrilho disse apenas que estas medidas são «normais neste tipo de queixas». O TIC proíbe o ex-ministro de contactar Bárbara Guimarães «sob qualquer forma», inclusive com órgãos de comunicação social «no que concerne aos assuntos relacionados com a vida privada da denunciante e dos seus familiares».