A bandeira azul vai ser hasteada este ano em 299 praias, mais uma do que em 2014, e em 15 marinas, menos duas que no ano passado, anunciou hoje o presidente da Associação Bandeira Azul.

Num ano em que o mote é “Faz da mudança a tua praia”, José Archer precisou que em 2015 e 2014 houve o mesmo número de bandeiras atribuídas, mas há “mais uma zona balnear e duas marinas”.

“Continuamos no limiar das 300 bandeiras (em praias), que ainda não atingimos porque alguém se atrasou na candidatura”, referiu.


Do total das praias galardoadas, 283 são costeiras, registando-se três novos locais na lista global: Canaveias (Centro), Praia da Pampilhosa da Serra (Tejo) e Beliche (Algarve).

Em termos de saídas houve 20 praias e três marinas, enquanto na contabilização de reentradas há 18 em termos de praias.

Uma bandeira foi hasteada numa nova marina, em Lisboa.

Quando se completam 29 anos de atribuição de bandeiras azuis, José Archer notou uma “evolução e crescimento constantes”, recordando que a fasquia das 100 praias foi ultrapassada em 1989, tendo-se chegado às 200 em 2006.

A região Norte soma este ano 65 galardões, menos uma que em 2014, o Centro manteve as mesmas 27 bandeiras, o Tejo somou mais cinco, para um total de 54, enquanto no Alentejo se perdeu uma, contabilizando-se agora 26.

O Algarve continuou a liderar a lista da região com mais galardões, com 85 (mais três que em 2014), nos Açores houve a perda de uma bandeira, com a região a registar 31 galardões, e na Madeira 11 bandeiras azuis, menos quatro que no ano passado.

A nível das marinas, o presidente destacou o hastear da bandeira na Doca de Recreio de Santo Amaro, gerida pelo Porto de Lisboa, por ser a “primeira vez que uma entidade pública se candidata como gestora e ver galardoada uma marina”.

Com esta entrada, a região do Tejo registou três portos/marinas galardoados, tal como o Centro, que manteve o mesmo número.

O Algarve manteve as suas quatro bandeiras, enquanto os Açores perderam a distinção em Vila Franca do Campo, totalizando agora cinco, enquanto a Madeira ficou sem qualquer galardão, ao saírem da lista as marinas do Funchal e da Quinta do Lorde.

A Associação Bandeira Azul revelou estarem planeadas 707 atividades de educação ambiental, em 650 praias e 57 marinas, havendo ainda concurso sobre práticas sustentáveis e códigos de conduta.

As cerimónias oficiais de hastear das primeiras bandeiras azuis de 2015 estão previstas para 01 de junho, nos concelhos de Sesimbra (Alentejo), e 12 de junho, em Pampilhosa da Serra (Tejo).

Na Marina da Horta (Açores), o galardão deverá ser colocado a 06 de junho.

A região do Algarve continua a ser a região do país com o maior número de praias com bandeira azul, 85, revelou o presidente da Associação Bandeira Azul.

José Archer enumerou como entrada nova para a lista a praia de Beliche, enquanto nas reentradas constam as praias dos Alemães, Ferragudo e Tonel.

Por sua vez, registou-se a saída da praia do Pego Fundo da listagem de estâncias galardoadas com o símbolo de qualidade.

Na contabilização de marinas, a região manteve as mesmas quatro de 2014: Lagos, Portimão, Albufeira e Vilamoura.

Madeira é a região que perde mais bandeiras azuis no país

 A Madeira foi a região que perdeu mais bandeiras azuis (seis) este ano, devido à aplicação de uma diretiva europeia sobre a qualidade da água balnear que alterou critérios.

José Archer enumerou terem saído da lista as praias da Calheta, Ponta do Sol, Ribeira Brava, Clube Naval, Barreirinha e Galo do Mar, enquanto Lido-Complexo Balnear e Roca Mar reentraram.

“Todas as saídas têm a ver com a transposição da diretiva europeia da qualidade da água balnear, que alterou os critérios ao abranger quatro anos de análises e a frequência diminuir em termos de amostragem”, referiu o responsável.


O responsável explicou que as análises passaram de uma periodicidade quinzenal para mensal, o que significa cerca de cinco análises por ano balnear, pelo que um mau resultado tem maior peso nas novas contas.

Em vez de se ter em conta os resultados do ano anterior, passaram a ser avaliados os resultados das últimas 20 análises.

Por isso, “todas as praias na Madeira foram penalizadas, não por resultados do ano passado, mas de 2011”, disse, acrescentando que, no arquipélago, algumas praias passaram a registar formalmente uma “água boa e não uma qualidade excelente”.

“Continuam a ser praias com uma água com ótima qualidade, mas ficaram penalizadas pela transição da diretiva”, porque deveriam ter realizado mais análises para manter a qualidade excelente.


Para 2015, o arquipélago somou 11 galardões para praias costeiras, em seis concelhos, tendo perdido as duas bandeiras que tinha em portos/marinas, ao saírem da lista as marinas do Funchal e da Quinta do Lorde.

Açores com maior número de marinas galardoadas

A Região Autónoma dos Açores regista o maior número de marinas/portos com bandeira azul em 2015, com cinco galardões, apesar da saída de Vila Franca do Campo.

José Archer, indicou que os galardões, símbolos de qualidade, foram conquistados pelas marinas da Horta, Ponta Delgada, Angra do Heroísmo, Praia da Vitória e Vila do Porto.

Nas praias, o galardão foi atribuído a 31 estâncias, de 11 concelhos, registando-se três reentradas: Calhetas, Barro Vermelho e Cais do Pico.

Da lista de praias distinguidas saíram Carapacho, Almoxarife, Baixa da Areia e Vinha da Areia.