Uma baleia de bico, uma espécie rara na costa portuguesa arrojou na praia de S. Martinho do Porto, em Alcobaça, onde está a está a ser estudada pelo Centro de Reabilitação de Animais Marinhos de Quiaios (CRAM).

«Trata-se de uma baleia-bicuda-de-cuvier (Ziphius cavirostris), um animal que só existe normalmente em águas profundas, pelo que é muitíssimo raro acontecerem arrojamentos na costa portuguesa», explicou à Lusa Marisa Ferreira, do Centro de Reabilitação de Animais Marinhos de Quiaios (CRAM).

O animal, com cerca de cinco metros de comprimento, deu na quinta-feira à costa, na praia de S. Martinho, tendo as autoridades marítimas julgado, inicialmente, «que seria um cachalote, uma vez que nesta altura do ano é normal aparecerem animais mortos», afirmou Lourenço Gorricha, comandante do Porto da Nazaré.

A «necropsia» (autópsia) efetuada esta sexta-feira de manhã pelos técnicos do CRAM revelou, no entanto, tratar-se de uma baleia que «não existe em profundidades inferiores a mil metros» e cujo surgimento os biólogos admitem poder estar relacionado com a proximidade ao «canhão da Nazaré», onde o mar atinge uma profundidade de cinco quilómetros.

A baleia «não apresentava marcas de redes de pesca» mas, segundo a bióloga, «tinha as costelas fraturadas o que poderá indiciar que tenha batido, eventualmente contra um barco, e que tal possa ter provocado a morte».

Ainda segundo a mesma responsável, «o esqueleto vai ser recolhido, estudado e, será colocado em exposição no futuro», já que se trata de uma raridade a nível nacional e «o primeiro a que tivemos acesso no Centro de Quiaios», concluiu.

Esta é a segunda baleia a arrojar nas praias do Oeste de Portugal este ano, depois de, no dia 26, outro animal, com cerca de quatro metros, ter dado à costa na Praia de Paredes de Vitória, também no concelho de Alcobaça.