O número de casos de sarampo aumentou para 82, mais quatro do que o último balanço da Direção-Geral de Saúde, divulgado ontem, que apontava para um total de 78.

Até às 19 horas do dia 29 de março de 2018 a situação relativa ao surto de sarampo é a seguinte: dos 82 casos confirmados, 71 estarão já curados e 11 com doença."

Há ainda dois doentes internados, "em situação clínica estável", segundo a nota que a DGS enviou à comunicação social.

A maioria dos casos tem ligação ao Hospital de Santo António, no Porto. Ontem, pelo meio-dia, apenas dois dos casos confirmados eram de outras zonas: nomeadamente PombalLisboa.

No boletim de hoje, a DGS informa também que há ainda 20 casos em investigação.

De todas as análises feitas, 197 casos deram negativo.

Esteja atento aos sintomas

Os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois de a pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal.

Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e cinco anos.

Os profissionais de saúde devem ter as duas doses da vacina independentemente da sua idade.

Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença. As pessoas com o esquema vacinal completo podem contrair a doença, mas de forma leve e não são veículo de transmissão, segundo as autoridades de saúde.