O cantor e compositor de música de Coimbra Fernando Machado Soares morreu no domingo aos 84 anos e o funeral realizou-se na terça-feira em Almada, disse à agência Lusa fonte da Fundação Amália Rodrigues.

Fernando Machado Soares, que foi vice-presidente daquela fundação, é o autor de uma das canções mais conhecidas do repertório da música portuguesa associada a Coimbra, intitulada «A balada da despedida» e que inclui o verso «Coimbra tem mais encanto/na hora da despedida».

Nascido em São Roque do Pico em 1930, Fernando Machado Soares licenciou-se em Direito na década de 1950 em Coimbra, cidade na qual partilhou um percurso artístico ao lado de nomes como Luís Goes, José Afonso, Fernando Rolim e Florêncio de Carvalho.

Cantor, compositor e poeta - e também magistrado -, Fernando Machado Soares gravou em 1957 «Coimbra Quintet», um disco apontado como um dos mais marcantes na história da canção coimbrã, gravado em Madrid e que contou com a participação de António Portugal e Jorge Godinho (guitarra), Manuel Pepe e Levy Baptista (viola).

«Machado Soares deu um contributo importante na criação das condições da transição do fado clássico para as baladas e para as trovas, que as vozes de José Afonso e Adriano Correia de Oliveira vieram a imortalizar», lê-se na biografia no Portal do Fado, na internet.

Fernando Machado Soares, que foi juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, recebeu em 2006 o Prémio Tributo Amália Rodrigues «pela excelência da carreira artística e dedicação aos outros».