O Graciosa Hotel, nos Açores, encerrou na quarta-feira, temporariamente, devido à presença de bactérias na água daquela unidade hoteleira de quatro estrelas e depois de diagnosticado um caso, no continente, da doença do legionário num hóspede.

Fonte da administração do hotel da ilha da Graciosa disse à Lusa ter sido informado pela Autoridade de Saúde de Santa Cruz da Graciosa «da presença de elementos bacteriológicos em análises efetuadas na água», acrescentando que o hotel encerrou esta noite.

Segundo um comunicado do Graciosa Hotel, «perante esta situação e em articulação com as autoridades, por precaução foi decidido encerrar temporariamente a unidade hoteleira até estarem garantidas todas as condições que assegurem a sua atividade com total segurança para clientes e colaboradores».

Um comunicado da Autoridade de Saúde de Santa Cruz da Graciosa confirma que o encerramento temporário do Graciosa Resort & Business Hotel se deveu a uma «situação de saúde pública referente às condições bacteriológicas da água».

«Esta decisão, articulada com a empresa gestora, cumpre os trâmites previstos na legislação em vigor, na sequência de um caso diagnosticado no continente da doença do legionário num hóspede desta unidade hoteleira, provocado pela bactéria legionella», refere.

O hotel, com 52 quartos, «não tinha neste momento reservas» e «só teve que realojar um cliente», segundo a mesma fonte.

A administração garante ainda ter «colocado à disposição alternativas de alojamento aos hóspedes e encontra-se em articulação com as entidades competentes, a desenvolver todos os esforços para a célere resolução desta situação».

Fonte da administração disse ainda à Lusa que «eram feitas regularmente análises» e que «até então nunca tinha sido detetado qualquer problema». Para esta quinta-feira estão agendadas «várias reuniões com as entidades competentes para verificar a situação e ver as resoluções a tomar».