O presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, manifestou-se esta segunda-feira preocupado com a "utilização irresponsável de drones" junto de aviões, promentendo fazer "uma campanha forte" contra estes incidentes que já ocorreram pelo menos seis vezes este mês.

Obviamente que estamos preocupados, infelizmente é uma utilização irresponsável dos ‘drones’ (…). A essa utilização irresponsável, a TAP é totalmente contrária e fará uma campanha forte para que isso deixe de acontecer”, garantiu o gestor, quando questionado pela Lusa sobre as repetidas aproximações ilegais de 'drones' a aeronaves.

Fernando Pinto adiantou que levará à reunião de terça-feira das principais companhias aéreas europeias (a A4E - Airlines for Europe) a “irresponsabilidade” de operar drones junto de aviões, referindo que “não quer prejudicar a atividade” dos drones, mas “também não quer que essa atividade prejudique o transporte aéreo”.

Criada em janeiro de 2016 e com base em Bruxelas, a associação Airlines for Europe junta as seguintes companhias: Aegean, airBaltic, Air France KLM, Cargolux, easyJet, Finnair, Icelandair, International Airlines Group (IAG), Jet2.com, Lufthansa Group, Norwegian, Ryanair, TAP Portugal e Volotea.

O líder da TAP recordou ainda que a lei proibe o voo de drones em determinadas altitudes e em áreas próximas da operação dos aviões e que já tem informações que as autoridades nacionais e europeias “estão preocupadas e irão agir em relação a isso [‘drones’]”.

No domingo à noite, um avião da TAP Express, operado pela White Airways, com mais de 70 passageiros, cruzou-se com um drone a 900 metros de altitude, na aproximação ao Aeroporto de Lisboa, disseram à agência Lusa fontes aeronáuticas.

Este é o sexto incidente do género este mês e o décimo desde o início do ano.

O regulamento da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) proíbe o voo de drones a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e descolagem de um aeroporto.

As declarações de Fernando Pinto foram feitas hoje à margem da apresentação do avião Portugal, que ostenta uma pintura ‘retro’ e tem como destinos previstos África, Brasil e Estados Unidos.

“Em determinados destinos vamos utilizar este avião e fazer algo diferente”, informou Fernando Pinto, escusando-se a adiantar mais pormenores.