"O tribunal não deu como provado que o arguido tivesse visto filmes pornográficos na companhia de várias crianças", disse o juiz-presidente.