Portugal mantém a 4.ª posição entre os 58 países mais industrializados na avaliação do desempenho relacionado com as alterações climáticas, com melhorias gerais nas emissões, apesar de ter piorado nas emissões dos edifícios e na produção de eletricidade.
 
Os resultados da 10.ª edição do índice das alterações climáticas (Climate Change Performance Index ou CCPI) foram divulgados pela Rede Europeia de Ação Climática, em que participa a portuguesa Quercus, em Lima, no Perú, onde decorre a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP20), com o objetivo de preparar um acordo para limitar as mudanças do clima.
 
«Portugal mantém a mesma posição em relação ao ano passado, melhorando em diversos indicadores, principalmente no que respeita ao nível de emissões, mas piorando na evolução recente das emissões associadas ao uso residencial e edifícios e à produção de eletricidade», refere uma informação da Quercus.
 
No entanto, os ambientalistas não deixam de alertar que a posição de Portugal «pode estar ameaçada pela política do atual governo, que já abrandou alguns dos investimentos benéficos, em particular nas energias renováveis e na diversificação de fontes».
 
A Dinamarca ocupa a 1.ª posição da lista e a Suécia o 2.º lugar, Marrocos, com metas elevadas para as energias renováveis, é o melhor país em desenvolvimento, enquanto a Alemanha foi penalizada pela desaceleração do uso de energias renováveis e mantém-se em 22.º lugar.
 
Nos últimos lugares, resultado da ausência de uma política climática ou devido a uma dependência enorme do uso de petróleo, estão o Canadá, o Cazaquistão, a Austrália e a Arábia Saudita.
 
A avaliação baseou-se em dados da Agência Internacional de Energia, relativos a 2012, e na política climática para 2014, tendo como objetivo «aumentar a pressão política e social, nomeadamente nos países que têm esquecido o trabalho nacional no que respeita às alterações climáticas».
 
Os países do índice são responsáveis por mais de 90% das emissões de dióxido de carbono associadas à energia. Portugal ocupa o 7.º lugar, mas é o 4.º melhor país já que os três primeiros lugares ficaram vazios, considerando as organizações ambientalistas não haver países merecedores do pódio.
 
No índice de 2015, Portugal obtém a classificação geral de «bom», com resultado «moderado» nos critérios sobre nível de emissões, evolução de emissões e energias renováveis, e «bom» na evolução da eficiência e da política climática.
 
Entre os países europeus mais afetados pela crise económica, Portugal é apresentado como «um exemplo de como lidar com a crise económica, obtendo resultado das políticas climáticas e reduzindo a dependência de recursos, lucrando com investimentos realizados em governos anteriores em áreas chave, como as energias renováveis, ainda que alguns destes investimentos comprometam a biodiversidade e a integridade de áreas classificadas e relevantes para a conservação da natureza».
 
«Espanha, retirando toda a dinâmica de investimento nas energias renováveis e com uma pior política internacional na área do clima», desce oito posições em relação ao ano anterior, enquanto a Grécia abandonou numa primeira fase todas as políticas climáticas, mas está já a recuperar algumas posições.