As novas drogas, o consumo de mais do que uma substância e a situação económica são os principais desafios das autoridades dos países da União Europeia na área da toxicodependência, segundo o diretor do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência.

Wolfgang Godz, que se encontra na Assembleia da República no âmbito da apresentação dos dados sobre toxicodependência em 2012, partilhou alguns indicadores que constam do Relatório Anual de 2013 sobre «A Evolução do fenómeno da Droga na Europa», tendo alertado para os desafios europeus nesta matéria.

Ao nível das novas drogas, o responsável sublinhou que, só em 2013, foram detetadas pelo sistema 75 das 280 novas drogas identificadas até ao momento.

De acordo com Wolfgang Godz, há mudanças ao nível dos canabinoides sintéticos, existindo agora comprimidos que são parecidos com ecstasy.

Para ilustrar os riscos que estas novas substâncias representam, o diretor do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência ( OEDT) revelou que, em 2013, tal como em 2012, as novas substâncias psicoativas causaram 21 mortes.

As autoridades estão igualmente atentas aos efeitos da recessão económica na área da toxicodependência, com Wolfgang a sublinhar que «nos países mais afetados pela crise, a despesa pública em saúde diminuiu 4,8 por cento em 2011» e que «a situação económica continua difícil».