"O vento diminuiu mas a corrente está muito forte. Não há condições mínimas de segurança para que se entre no navio", disse à agência Lusa Nuno Leitão, porta-voz da Autoridade Marítima