Autocarro ou metro? Metro. É o transporte que mais satisfaz os utilizadores, principalmente no Porto. Já o autocarro é o que gera maior descontentamento. No comboio, a satisfação dos utentes «é apenas ligeiramente inferior à do metro». São estas as conclusões de um inquérito feito pela Deco à satisfação dos utilizadores dos transportes públicos, realizado entre maio e junho de 2014 e que contou com a participação de pessoas. A pontualidade é o aspeto que mais influencia a escolha do melhor meio para chegar ao destino pretendido.

Com base numa lista de 31 aspetos, foi avalidado o nível de satisfação dos utentes com os diferentes meios de transporte nas várias cidades. «A satisfação global não é muito elevada, sendo o metro o meio que reúne mais utilizadores satisfeitos», conclui, segundo a Lusa.

Quais os aspetos mais apreciados no metro?

- As informações visuais e sonoras que permitem saber quando se deve sair

- A  sensação de segurança do veículo

- O conforto nas horas de ponta 

- A pontualidade

Em geral, o autocarro é o transporte mais usado (65%), seguido do comboio (34%). Nos municípios servidos pelo metro, este é um dos meios eleitos de transporte.

Na Grande Lisboa, o metro é o transporte com mais passageiros, seguido de muito perto pelo autocarro, ambos usados por cerca de 60% dos inquiridos. No Grande Porto, o metro também é o principal rival do autocarro, embora um pouco menos utilizado.

O Metro do Porto é a empresa que reúne maior índice de satisfação geral, seguido da Fertagus, cujos comboios fazem a travessia da ponte 25 de Abril.

Os contras do autocarro

Na avaliação do autocarro e do comboio, a pontualidade «também» é um «critério importante». Mas o autocarro é o menos apreciado pelos utentes, que apontam como fatores negativos a informação dada nas estações ou nas paragens, a frequência ao fim de semana, as máquinas de venda de bilhetes e a forma como são resolvidas as falhas do serviço.

O autocarro também é o transporte que origina mais reclamações (20%), seguido do comboio (16%) e do metro (12%), e o que apresenta mais atrasos, em média de 25 minutos, seguido do comboio (cerca de 20 minutos).

Entre as empresas de autocarros, a Rede Expressos é a que mais agrada aos passageiros e a Transportes Sul do Tejo (TST) a que menos satisfaz.

Outras conclusões

O estudo aponta ainda que cerca de 38% dos participantes utilizam raramente os transportes públicos, por considerarem que fica mais barato utilizar o automóvel e por serem pouco frequentes na zona onde vivem.

Mais de metade dos inquiridos disse usar os transportes públicos cinco dias por semana, e um quarto admitiu fazê-lo quase todos os dias, incluindo fim de semana.

Em média, os inquiridos passam 80 minutos por dia nos transportes. Os habitantes de Cascais, Seixal e Sintra são os que têm viagens mais demoradas, em média, 90 minutos.

Questionados sobre os aspetos a melhorar, 18% apontaram a correspondência entre meios de transporte, 16%, a pontualidade, 10%, os veículos, 10%, a rede de transporte e 9%, os horários.

O inquérito da Deco foi realizado com utilizadores sobretudo de Lisboa e do Porto,  mas também de 20 outros municípios, sobretudo do norte e centro do país.