despiste de um autocarro



“Os relatos que nos deram foram horríveis e muito tristes. Falámos com pacientes no hospital e outras vítimas nos hotéis da região e é difícil imaginar o que passaram”, afirmou o embaixador holandês.


“Quero agradecer às equipas de emergência e às autoridades portuguesas pelos esforços realizados e deixar um grande obrigado pelos seus esforços na resolução deste trágico acidente”, disse ainda o diplomata.


“Tivemos 15 pessoas a trabalhar nos hospitais, hotéis e onde pudéssemos encontrar as pessoas. E hoje 13”, contabilizou o responsável do operador turístico, elogiando a “atuação muito profissional e organizada dos serviços de emergência”.





Motorista sem registo de acidentes


 administrador da EVA Transportes fez saber que motorista do autocarro






“É um motorista que entrou na empresa em 1990, tem 53 anos, tem vasta experiência neste tipo de serviços, e que não tem registo de acidentes ao longo da sua carreira que tenham significado”, afirmou Carlos Osório Gomes.


“Ainda é muito recente e temos que efetivamente ser cautelosos no apuramento das causas do acidente”, respondeu, sublinhando que não tem “informação oficial” sobre um má disposição do condutor ter causado o despiste do autocarro, como chegou a circular no local do acidente na madrugada passada.


“Ainda não sabemos bem como ele está, é tudo muito recente, ele também esteve no hospital a receber algum tipo de acompanhamento e portanto só há pouco tempo saiu do hospital e ainda é muito cedo para avaliar o impacto psicológico que possa ter havido. Vamos naturalmente sujeitá-lo a um aconselhamento médico da empresa para saber se está em condições de regressar ao trabalho”, afirmou.