O homem que na madrugada de domingo atropelou 13 pessoas numa das avenidas mais movimentadas da Praia da Rocha, em Portimão, vai ficar em liberdade. 

Ouvido esta segunda-feira em tribunal, ao arguido foram-lhe aplicadas seguintes medidas de coação: termo de identidade e residência e apresentações diárias às autoridades. 

Em declarações à Lusa, o advogado do arguido, revelou que o homem "está indiciado por um crime de condução sem habilitação legal, incorrendo ainda numa contraordenação por condução sob efeito do álcool, após ter sido registada uma taxa de 0,7 gramas por litro de sangue".

O advogado Padilha de Brito, acrescentou que o seu constituinte "não tem antecedentes criminais, e que está a frequentar aulas de condução, alegando perante o juiz a falta de travões da viatura".

"Ele disse que assustado pela interpelação da polícia, tentou travar mas que não conseguiu", indicou o advogado.


"Irei pedir uma peritagem às condições técnicas do veículo para se aferir de alguma irregularidade", sustentou o causídico.

As vítimas foram assistidas no local e a maioria teve alta ao início da manhã de domingo, mas três permaneceram internadas, duas delas em estado grave. 

O homem que conduzia o carro não tinha carta de condução e tentou fugir, mas foi intercetado pela polícia logo de seguida, tendo revelado uma taxa de álcool no sangue de 0,7 gramas por litro - é considerada contraordenação a partir dos 0,5 gramas de álcool no sangue e crime apenas a partir dos 1,2  gramas de álcool no sangue - e foi levado ao hospital para se submeter a análises que eventualmente detetassem outro tipo de substâncias.