A Câmara Municipal de Câmara de Lobos (CMCL) recolheu, na sexta-feira, 50 cães de uma habitação, onde viviam três adultos, um deles octogenário, em situação de insalubridade, informou hoje a autarquia.

A autarquia garante que os animais foram retirados "com todos os cuidados", enquanto a Associação Ajuda a Alimentar Cães (AAAC) contesta a atuação.

"Da ação ocorrida ontem [sexta-feira], foram recolhidos 50 cães, dos quais 34 se encontram à guarda da SPAD (Sociedade Protetora de Animais Domésticos), dois estão numa clínica e 14 estão à guarda provisória da CMCL, com acompanhamento da equipa de veterinários da SPAD", informa a câmara em comunicado.

A autarquia realça que, "da parte da CMCL, estão a ser assegurados todos os cuidados tidos por necessários e adequados à salvaguarda da integridade e bem-estar dos cães que foram recolhidos", e repudia as críticas da Associação Ajuda Alimentar a Cães (AAAC), "nomeadamente a difusão de vídeos e imagens nas redes sociais, deturpando, de forma intencional e com laivos de má-fé, a verdade dos acontecimentos, imputando responsabilidade aos funcionários da Câmara Municipal, na forma como os animais foram capturados".

A AAAC, na sua página oficial no Facebook garante, por seu lado, que "vem acompanhando este caso há pouco mais de um mês", e contesta "a forma como foram retirados e transportados os animais".

"Depois de muitas horas dentro das carrinhas, sem [os funcionários] saberem para onde levar os animais, [estes] foram então encaminhados para a SPAD, que, com muita dificuldade, alojou 34 cães, e os restante 16 foram alojados num armazém de Câmara de Lobos, que não tem condições próprias para [os] receber".

A AAAC afirma ainda que "vários animais ficaram muito feridos devido ao transporte inadequado".

A CMCL diz que a recolha dos cães foi feita em presença do oficial de justiça do Ministério Público, da autoridade de Saúde de Câmara de Lobos, do veterinário, da Polícia de Segurança Pública e, "inclusive, de elementos da AAAC, que se disponibilizaram para apoiar a ação", enquanto "a Câmara Municipal mobilizou meios humanos e logísticos para o transporte dos animais".

"A recolha dos cães existentes na habitação foi efetuada diretamente pelos elementos da AAAC, que os conduziram até às viaturas da Câmara Municipal, com exceção de um cão que apresentava sinais de agressividade", que foi "recolhido pelo veterinário presente no local, indicado pela própria Associação", lê-se no comunicado da autarquia.

A Câmara Municipal recorda ainda "as condições higieno-sanitárias, de salubridade, de habitabilidade e de saúde pública em que viviam três pessoas adultas, uma delas, octogenária", assim como "os próprios animais", criticando a alegada "insensibilidade" da AAAC.

A situação de insalubridade foi denunciada em 2014, por um familiar das três pessoas que vivem na habitação, mas só na sexta-feira foi possível atuar no local, segundo a autarquia, por haver uma providência cível do Ministério Público, dado que os proprietários não autorizavam a entrada das autoridades camarárias e sanitárias.

A CMCL diz que, no âmbito das suas atribuições e competências, no decurso do corrente ano 2017 investiu mais de 110 mil euros em ações relacionadas com campanhas de adoção e vacinação de animais e, sobretudo, na prestação de cuidados a mais de 70 animais errantes que foram recolhidos da via pública e se encontram aos cuidados da SPAD.

A Câmara adianta que, "ao abrigo da campanha Causa Animal, em 2017, foram adotados cerca de 30 animais errantes, que haviam sido recolhidos pela CMCL, tendo sido entregues às famílias que os acolheram devidamente esterilizados, vacinados e com chip de identificação".