A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) demarcou-se esta segunda-feira das dificuldades que afetam o setor da produção de leite e suínos, salientando que a atual conjuntura só pode ser resolvida com a intervenção das autoridades nacionais e europeias.

Os produtores de leite e carne voltaram esta manhã aos protestos, depois da manifestação de suinicultores da passada sexta-feira em Lisboa, apelando à defesa da produção nacional” e contestando as “práticas comerciais abusivas” da grande distribuição.

A APED reagiu esta segunda-feira, num comunicado, lembrando que a atual conjuntura “tem origem em questões relacionadas com o funcionamento do mercado nacional e europeu que só podem ser resolvidas com a intervenção das autoridades nacionais e europeias”.

A associação, que representa 129 empresas do retalho alimentar e não alimentar e do comércio grossista, salientou ainda que a “distribuição não é o único ‘player’ relevante na formação dos preços”, apontando outros fatores como a relação entre a oferta e a procura, conjuntura europeia desfavorável, o “fortíssimo” impacto do embargo russo na produção nacional e o fim das quotas leiteiras.

A APED afirma-se ainda “disponível para dialogar com os produtores e apoiar a produção nacional” e garante que cumpre a legislação em vigor quer a nível nacional, quer comunitário.

A manifestação dos produtores de leite e carne está a decorrer no mesmo dia em que o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, está em Bruxelas numa reunião dos ministros da Agricultura da União Europeia, que voltará a ter em cima da mesa o tema do leite e da carne suína.

Os produtores acusam as grandes superfícies comerciais de contribuírem “para a grave crise que arrasa a pecuária nacional” e dizem ser “indispensável a regulação legislativa e a fiscalização da atividade dos hipermercados”.

O setor reclama também ao Ministério da Agricultura e ao Governo que criem “condições para escoamento, a melhores preços à produção, dos produtos agroalimentares” nacionais, desde logo o leite e a carne, e que ao mesmo tempo efetuem um “controlo severo das importações, como está a fazer a Espanha desde há meses”.

O Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, levou um conjunto de propostas para reforçar o apoio aos produtores portugueses dos setores do leite e da carne de suíno.