O presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, ameaçou hoje ir protestar «para a porta do ministério» se não for resolvida a situação de falta de 33 professores em Casal de Cambra.

«Vamos pedir uma reunião de urgência ao senhor ministro [da Educação] e espero que ele nos dê a reunião, senão vai ter de nos ouvir à porta do Ministério», disse Basílio Horta (PS), frente à Escola EB 2,3 Prof. Agostinho da Silva, onde desde as 08:00 se concentraram dezenas de pais e alunos em protesto contra a falta de professores.

Num agrupamento de 110 professores continuam a faltar 33, «o que afeta cerca de 200 crianças nas várias escolas», explicou à agência Lusa Helena Santos, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação.

Segundo Helena Santos, «lamentavelmente, houve 27 professores que pediram recondução para estas escolas [do agrupamento] e apenas um conseguiu».

«As escolas TEIP [Território Educativo de Intervenção Prioritária] também são portuguesas», lia-se num dos cartazes empunhados pelos pais e alunos concentrados à porta da escola de Casal de Cambra, num protesto que durou hora e meia.

«Nunca houve um começo de ano tão mau como este, não chega pedir desculpa», afirmou Basílio Horta, acrescentando que «no concelho de Sintra faltam pelo menos 200 professores».

O agrupamento de escolas, composto pelo Jardim de Infância (JI) n.º 1 de Casal de Cambra, EB1/JI de Casal de Cambra, EB1 n.º 2 de Casal de Cambra e EB2,3 Prof. Agostinho da Silva, possui 150 crianças com necessidades educativas especiais.

O autarca esclareceu que entre as escolas com falta de docentes, além da de Casal de Cambra, estão as de Agualva-Mira Sintra (15), Ferreira de Castro (24), Rui Belo (20), Visconde de Juromenha (12), Queluz-Belas (10) e Francisco Sanches (3), afetando em todo o concelho cerca de dez mil alunos.

«É uma preocupação que se vem agravando há vários anos, mas este ano é demais», reclamou Fernanda Santos, presidente da Junta de Freguesia de Casal de Cambra, que criticou o contributo do agrupamento «na certificação de professores que depois são transferidos para outras escolas».

A CDU de Casal de Cambra, em comunicado, solidarizou-se com a luta dos pais do agrupamento Agostinho da Silva, lamentando que «fruto das opções políticas de um Governo» haja «uma enorme percentagem de alunos das escolas portuguesas [que] não têm acesso a um direito constitucional».