O Ministério Público acusou de furto qualificado 16 suspeitos de vários assaltos a residências essencialmente no Minho, perpetrados sobretudo por ocasião das festas de cada localidade ou de batizados, casamentos e funerais de familiares dos proprietários das habitações.

Segundo nota publicada esta quinta-feira no site da Procuradoria-Geral Distrital do Porto, os factos reportam-se ao período compreendido entre 16 de fevereiro de 2013 e 14 de outubro de 2014, com assaltos registados em Vila Nova de Famalicão, Braga, Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo, Santo Tirso, Guimarães, Vila Verde, Vizela, Monção, Barcelos e Póvoa de Varzim.

Alguns dos arguidos estão acusados de mais de 30 crimes de furto qualificado.

Há arguidos que vão também responder por detenção de arma proibida, de tráfico de arma e de falsificação.

De acordo com a acusação, os arguidos inteiravam-se da ausência dos moradores das habitações por ocasiões de festividades locais ou acontecimentos de vida familiar anunciados, nomeadamente batizados, casamentos e funerais.

A acusação, deduzida Ministério Público no DIAP da Comarca do Porto, contabiliza em mais de 326 mil euros o montante dos bens e valores subtraídos nos assaltos.