O Ministério Público acusou cinco pessoas por assaltos a carrinhas dos CTT, ameaçando os funcionários com armas de fogo, em crimes consumados entre 2012 e 2015, no norte e centro do país.

Os assaltos, que renderam mais de 700 mil euros, aconteceram em Gondomar, Entre-os-Rios, Penafiel, Santa Maria da Feira, Paredes, Vila Nova de Gaia, Marco de Canaveses, Felgueiras, Oliveira de Azeméis, Coruche, Abrantes, Castelo de Vide, Albergaria-a-Velha, Valença, Lamego e Ovar.

Um dos cinco arguidos foi, durante dez anos, funcionário dos CTT, conhecendo o modo de funcionamento quanto ao transporte de valores, rotinas e percursos, referiu a Procuradoria-Geral Distrital do Porto, na sua página oficial.

Na tese do MP, os arguidos criaram grupos entre si que, depois, escolhiam as carrinhas dos CTT a roubar, obrigando os funcionários a entregar-lhes o dinheiro, ameaçando-os com armas de fogo, salientou.

“Colocavam-se, depois, em fuga em motociclos potentes”, segundo cita a Lusa.

Os arguidos estão acusados de associação criminosa, roubo agravado, posse de arma ilegal, furto qualificado, recetação, falsificação, tráfico e mediação de armas.

Dos cinco arguidos, dois estão em prisão preventiva – medida de coação mais gravosa – e um à obrigação de permanência na habitação.