Continua atrás das grades, o homem que a 11 de novembro do ano passado cometeu dois assaltos à mão armada em Santa Maria da Feira e Oliveira de Azeméis. O tribunal condenou-o a prisão efetiva, aplicando pena suspensa a um cúmplice, que lhe emprestara uma mota.

O caso foi julgado em setembro, mas só agora a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto deu a conhecer o acórdão. No dia do crime, o condenado apropriara-se de uma maquia de 865 euros, no total. Agora, continua na prisão, até cumprir a pena de três anos e três meses.

Um dia de assaltos

A  11 de novembro de 2015, o dia foi preenchido. O homem, com a mota de um amigo - e sem carta para a conduzir - deslocou-se até ao posto dos correios de Milheirós de Poiares, Santa Maria da Feira. Pouco passava do meio-dia. De capacete na cabeça, óculos de sol e pistola em punho ameaçou os funcionários. Concretizou o assalto. Levou uma quantia de aproximadamente 850 euros.

Nesse mesmo dia, pelas 16:00, o resolveu atacar a Unidade de Saúde de Ossela, no concelho vizinho de Oliveira de Azeméis. Aí, o assalto rendeu-lhe uns 15 euros.

Condenado tal como o amigo

Apanhado pela polícia, julgado, o arguido foi condenado. Tal como o amigo que lhe emprestou a mota, por ser considerado cúmplice, já que sabia das intenções do primeiro.

Assim, o principal arguido foi condenado pela prática de dois crimes de roubo e de um de condução sem habilitação legal, na pena única de três anos e três meses de prisão efetiva.

O amigo, cúmplice e dono da mota foi condenado a um ano e nove meses de prisão. A pena fica suspensa na sua execução por igual período.