O Tribunal São João Novo, no Porto, condenou esta terça-feira cinco homens a penas entre os cinco anos de prisão, suspensa na sua execução, e 10 anos por assaltar carrinhas dos CTT e ameaçar os funcionários com armas de fogo.

Um dos cinco arguidos, que durante dez anos foi funcionário dos CTT, foi condenado a 10 anos de prisão, outros dois – que estavam em prisão preventiva – a nove anos e os restantes a cinco anos, mas de pena suspensa.

Os assaltos, consumados entre 2012 e 2015, renderam mais de 700 mil euros e aconteceram em Gondomar, Entre-os-Rios, Penafiel, Santa Maria da Feira, Paredes, Vila Nova de Gaia, Marco de Canaveses, Felgueiras, Oliveira de Azeméis, Coruche, Abrantes, Castelo de Vide, Albergaria-a-Velha, Valença, Lamego e Ovar.

Os assaltantes criaram grupos entre si que, depois, escolhiam as carrinhas dos CTT a roubar, obrigando os funcionários a entregar-lhes o dinheiro, ameaçando-os com armas de fogo.

Posteriormente, colocavam-se em fuga em motociclos potentes.

O ex-funcionário dos CTT conhecia o modo de funcionamento quanto ao transporte de valores, rotinas e percursos.