O início do julgamento de seis homens acusados de assalto à mão armada, em Santarém, a uma carrinha de transporte de tabaco, não consumado, foi adiado para 9 de setembro, dada a ausência dos arguidos presos.

Os homens que se encontram a cumprir penas de prisão por outros processos não compareceram no tribunal de Santarém devido à greve dos guardas prisionais, tendo a juíza Helena Nogueira adiado o início do julgamento para 9 de setembro.

Os seis homens, com idades entre os 25 e os 33 anos, dois dos quais a cumprir penas de prisão por outros processos, foram acusados pelo Ministério Público de dois crimes de roubo e um de sequestro, apesar de não terem conseguido consumar o assalto.

Os factos remontam a agosto de 2011, quando, segundo a acusação, atravessaram o veículo em que seguiam à frente da carrinha que transportava o tabaco, pertencente a uma empresa de Alcobaça, na estrada nacional 114.

Os arguidos terão ameaçado o condutor da viatura com uma arma de fogo e uma faca, obrigando-o a seguir por uma estrada de terra batida para um local isolado, onde carregaram o tabaco e o dinheiro para a carrinha usada no assalto.

Segundo a acusação, o funcionário da empresa de distribuição de tabaco foi deixado na parte traseira com uma caixa de papelão a tapar-lhe a cabeça, para dificultar a identificação dos autores do crime.

Os suspeitos acabaram por se despistar perto de Albergaria, no concelho de Santarém, continuando a fuga primeiro a pé e depois roubando o carro a uma condutora que circulava na rua principal da aldeia.

O tabaco (no valor de cerca de 10.000 euros), cerca de 1.800 euros em dinheiro (1.200 dos quais em moedas) e um telemóvel foram deixados na carrinha acidentada e mais tarde recuperados pela GNR.

A viatura roubada em Albergaria acabou por ser recuperada no concelho da Lourinhã.