A Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) detetou no Norte a venda de baterias contrafeitas para 'smartphones' de marca protegida, como se fossem originais, estando a investigar “todo o circuito” ilegal de comercialização, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a ASAE refere que a sua ação foi desencadeada “após uma denúncia da venda de uma bateria contrafeita de marca reputada no mercado, para telemóveis dessa mesma marca”.

O caso ocorreu numa grande superfície comercial “que possui serviço dedicado à reparação de telemóveis”.

Ao longo da investigação, foram realizadas duas inspeções nas instalações do distribuidor nacional dessas baterias.

A ASAE acabou por sinalizar e apreender em Penafiel e Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, 11 baterias semelhantes à que abriu a investigação, “provenientes do mesmo distribuidor, ostentando ilegalmente marcas e modelos conhecidos e registados”.

A venda destas baterias ao consumidor final, conta a ASAE, “não ocorria convencionalmente em loja”, já que “não se encontravam expostas para venda direta, mas somente para venda por encomenda para substituição da bateria original”.

De acordo com o comunicado, a investigação à venda das “baterias suspeitas” vai prosseguir, no sentido de identificar e acautelar clientes induzidos em erro”.