Os arquitetos Eduardo Souto do Moura e Álvaro Siza Vieira são os autores de uma instalação chamada «Jangada de Pedra» que estará em exibição durante uma mostra de criação contemporânea ibérica, em Washington, no mês de março.

A instalação é uma iniciativa do Arte Institute, com o patrocínio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), e estará exposta em frente ao John F. Kennedy Center for the Performing Arts, o centro cultural nacional dos EUA.

«É um grande orgulho para o Arte Institute ter o arquiteto Souto Moura e o arquiteto Siza a trabalharem nesta instalação, um desafio contra-relógio que demonstrou não só o seu talento e profissionalismo, como a sua generosidade e entrega», disse a presidente do Arte Institute, Ana Ventura Miranda, à agência Lusa.

Durante três semanas - de 03 a 24 de março de 2015 -, o Kennedy Center acolherá uma mostra cultural intitulada «Iberian Suite: Arts Remix Across Continents», um evento de divulgação da cultura de Portugal e Espanha, que contará com a participação de artistas da lusofonia e da América Latina.



Além da instalação dos dois arquitetos vencedores do Prémio Pritzker, construída em pedra doada pela empresa SOLANCIS e inspirada no livro de José Saramago com o mesmo nome, outras instalações estarão expostas durante o evento.

Uma delas é um elétrico de cortiça em tamanho real, criado pelo artista plástico e designer Nuno Vasa, que transporta a «Mensagem», de Fernando Pessoa, e estará em exposição no Hall of Nations, uma das entradas do centro.

Na outra entrada - Hall of States - estará uma instalação em pedra em que se exibem manequins do mundo inteiro, inspirados em temas portugueses e espanhóis e que terá a presença dos designers portugueses Storytailors.

Finalmente, haverá um espaço dedicado às crianças, todo feito em cortiça doada pelas empresas Sofalca, Nova Cortiça e TNT, onde os mais pequenos poderão aprender mais sobre a cultura ibérica.

«Os espetáculos são muito importantes, mas duram apenas um dia. As instalações estão presentes desde que as portas abrem até que fecham. Três delas estão situadas nos dois hall de entrada e na frente do edifício. Qualquer pessoa que entre, seja para assistir a um espetáculo ou para passear, vai ter que se deparar com Portugal», explicou Ana Ventura Miranda.

A responsável diz que ficou muito emocionada quando Souto Moura, a quem foi primeiro dirigido o convite, lhe perguntou em pleno Kennedy Center se podia convidar Siza Vieira.

«Eu respondi, emocionada, que o meu sonho para Portugal era esse mesmo: ver o país conseguir trabalhar como eles os dois, com generosidade, a puxarem um pelo outro para fazer melhor», lembrou.


O fadista Camané, a companhia Mundo Perfeito e o escritor Gonçalo M. Tavares serão alguns dos outros convidados desta mostra.

Na cerimónia de abertura, a 03 de março, estarão a fadista Carminho, a companhia brasileira de dança Grupo Corpo, o saxofonista moçambicano Moreira Conguiça, Eugenia León (México), Arakaendar Choir and Orchestra (Bolívia/Reino Unido) e os bailarinos Ángel and Carmen Corella (Espanha).