A audição do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, sobre a recuperação das armas furtadas em Tancos, prevista para terça-feira na comissão de Defesa Nacional, foi adiada sem nova data, disse à Lusa fonte parlamentar.

A audição estava prevista para terça-feira, dia 28, data acertada na reunião da comissão de Defesa Nacional na sexta-feira passada, antes da audição do chefe do Estado-Maior do Exército [CEME], general Rovisco Duarte, sobre o mesmo tema.

Contudo, segundo fontes parlamentares, o ministro da Defesa terá pedido nova data devido a questões de agenda. Entretanto, o coordenador dos deputados do PS na Defesa, Miguel Medeiros, fez saber à comissão que, havendo consenso, prescindia da audição nesta fase, uma vez que se considerava esclarecido com as informações prestadas pelo general Rovisco Duarte, sexta-feira, à porta fechada.

Contactado pela Lusa, o deputado socialista Miguel Medeiros, afirmou que depois da audição de Rovisco Duarte, considera que as explicações que foram dadas sobre o assunto são esclarecedoras.

O deputado do PS Miguel Medeiros disse que a audição está em suspenso e que os deputados vão decidir na quinta-feira se se marca nova data ou não e sublinhou que "a todo o tempo" o parlamento pode ouvir o ministro quando entender necessário.

O requerimento do PS, aprovado por unanimidade, foi apresentado depois de ter sido recuperado, pela Polícia Judiciária Militar, o material furtado em Tancos, para "atualizar informação".

No final da audição de sexta-feira, o presidente da comissão, Marco António Costa, disse aos jornalistas ter ficado esclarecido com as justificações dadas "com total transparência" pelo CEME.

Rovisco Duarte foi questionado sobre a recuperação do material militar roubado na base de Tancos, sobre a desativação daquela base militar e sobre as medidas de segurança adotadas nas unidades do Exército.