A ministra da Administração Interna admitiu, nesta sexta-feira, estar preocupada com o furto de 50 pistolas das instalações da direção nacional da PSP, mas aguarda a conclusão das investigações para decidir se deve haver alterações nos procedimentos.

É naturalmente algo que me preocupa e por isso mesmo já existe não só uma inspeção em curso, processos disciplinares, mas também uma investigação criminal em curso. Precisamos de esperar pelas conclusões”, cuja competência é do Ministério Público, disse Constança Urbano de Sousa na direção nacional da PSP, à margem da entrega de 34 viaturas novas à polícia.

Na quinta-feira, um comunicado do MAI informava que a PSP tinha suspendido de funções dois agentes e instaurado um inquérito ao armazenamento de armas da direção nacional após terem sido extraviadas 50 armas de nove milímetros.

Questionada sobre possíveis alterações nos procedimentos, a ministra insistiu na necessidade da inspeção da PSP, dos inquéritos disciplinares e da investigação criminal estarem concluídas para ser tomada alguma decisão.

Precisamos de esperar pelas conclusões para perceber exatamente quais os contornos desta situação. Quando houver conclusões logo se vai determinar quais os procedimentos a seguir.”

PSP tem 34 novas viaturas

A PSP recebeu hoje 34 novas viaturas, no valor de 885 mil euros, que serão distribuídas pelos diversos comandos, entre os quais o do Porto, e para várias valências como trânsito, patrulhamento e proteção de testemunhas.

A cerimónia de entrega das viaturas, que decorreu na direção nacional da polícia, contou com a presença da ministra da Administração Interna para quem estas novas viaturas são “um reforço muito importante para a PSP, para a renovação da sua frota automóvel e para reforçar a capacidade operacional da PSP”.

Sobre o contrato de aquisição, Constança Urbano de Sousa explicou que a preocupação foi que no compromisso com a marca tivesse incluído a manutenção das viaturas durante seis anos ou 200 mil quilómetros.

Para o diretor nacional da PSP, Luis Farinha, estas 34 novas viaturas, vêm colmatar um conjunto de necessidades da polícia e reduzir a média etária dos veículos e o seu intenso uso”.

No início do mês, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) denunciou que 50% das viaturas do Comando Metropolitano da PSP do Porto estão inoperacionais por falta de verbas para proceder à respetiva reparação.

“Cerca de 50% das viaturas que estão distribuídas ao Comando Metropolitano da PSP do Porto não estão em funcionamento”, estando “inoperacionais” por diversas razões, inclusivamente por “falta de peças e verba para proceder à respetiva reparação”, alertou ASPP/PSP do Porto.