Duas pessoas foram constituídas arguidas na sequência de ações de combate à criminalidade associada à exploração de imigrantes realizadas pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras na zona de Coimbra, informou hoje o SEF.

Em comunicado, o SEF refere ter realizado duas ações relacionadas com o combate à criminalidade associada à exploração de imigrantes em Coimbra.

Numa delas, foram realizadas buscas a uma residência, viaturas e à sede de duas empresas utilizadas para a elaboração de contratos de trabalho fictícios com cidadãos estrangeiros que alegadamente serviriam para, com base em vínculos laborais inexistentes, suportar o processo de regularização fraudulenta de imigrantes ilegais.

As empresas onde foram feitas buscas tinham “dívidas avultadas” à segurança social e, segundo o SEF, eram reincidentes neste tipo de práticas irregulares.

O SEF apreendeu ainda material informático e vários documentos relacionados com os crimes em investigação.

Na sequência das buscas, o responsável pelas empresas, um cidadão estrangeiro sob quem pendia uma medida para procedimento cautelar, foi constituído arguido, lê-se no comunicado do SEF.

Ainda em Coimbra, foram feitas buscas em estabelecimentos e em áreas residenciais associadas, culminando as investigações relacionadas com auxílio à imigração ilegal e ao lenocínio.

Nessas buscas, foram detetadas três mulheres em situação ilegal, tendo duas delas sido notificadas para abandonarem voluntariamente Portugal no prazo de 20 dias, sob pena de incorrerem em procedimento coercivo de afastamento.

Uma terceira mulher, com condições para se regularizar, foi notificada a comparecer no SEF.

A pessoa responsável pela gestão e exploração deste estabelecimento foi também constituída arguida.