O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, reconheceu esta segunda-feira que, no domingo, aconteceu “um número invulgar de incêndios” no país, mas preferiu destacar a “redução muito significativa” da área ardida este ano, em comparação com “anos anteriores”.

“Lamentamos e muito, evidentemente, a existência desses mesmos incêndios. Queremos acreditar que dias como o de ontem [domingo] não se voltarão a repetir”, disse o ministro, questionado pelos jornalistas sobre os fogos deste fim de semana.

Mas, “sobretudo”, o ministro do Ambiente disse não poder “deixar de sublinhar aquilo que tem sido uma redução muito significativa da área ardida” em Portugal, este ano, quando “comparada com os anos anteriores”, e a “muito grande capacidade de poder agir quando os incêndios deflagram”.

De acordo com João Matos Fernandes, que falava aos jornalistas na área de serviço de Aljustrel da Autoestrada do Sul (A2), é preciso “continuar a prevenir” e “a reforçar os meios” em matéria de incêndios, para “quando acontece um número invulgar” de ocorrências “no mesmo dia e num dia também excecionalmente quente”, como o do último domingo.

O ministro do Ambiente, que inaugurou esta segunda-feira o primeiro corredor de carregamento rápido para veículos elétricos da rede MOBI.E, afirmou que, este ano, “descontado o dia de ontem [domingo]”, a época de incêndios tem sido “muito mais benigna” do que aquilo que era “a expetativa inicial”.

“Isso significa o quê? Uma grande capacidade para intervir, uma grande coordenação de meios, uma grande disponibilidade para quem está no terreno, tanto a coordenar, como a apagar os incêndios”, elogiou.

No que respeita às áreas protegidas em Portugal, o governante que tutela a pasta do Ambiente referiu que já foram palco, este ano, de “dois incêndios com alguma expressão”.

“Expressão mais temporal do que territorial”, explicou, aludindo ao incêndio na Peneda/Gerês, o qual “só foi extinto hoje de manhã”, e ao fogo registado em Manteigas (Guarda), que atingiu o Parque Natural da Serra da Estrela.

Neste âmbito, o ministério, argumentou, tem feito “um trabalho crescente” para “uma maior proximidade no terreno”.

“E, sem dúvida, que a contratação de vigilantes da natureza que está prevista para o final deste ano é da maior importância para podermos estar ainda mais perto do território”, afiançou João Matos Fernandes.

No domingo quase três mil bombeiros foram mobilizados para o combate a mais de 100 incêndios em todo o país, apoiados por 28 meios aéreos e mais de 700 meios terrestres, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Às 12:00 desta segunda-feira a ANPC indicava que estavam ativos em todo o país 102 incêndios, com o auxílio de 2.361 operacionais, 695 meios terrestres e 24 meios aéreos.