Portugal registou, em 2015, 7.305 apreensões de droga, surgindo a cocaína como o estupefaciente com maiores quantidades apreendidas (mais de seis toneladas), ultrapassando a 'cannabis', que costumava liderar a lista, em anos anteriores.

Os dados constam do Relatório Anual de 2015 da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) da Polícia Judiciária (PJ), que refere que foram apreendidos 6.029.618 quilogramas de cocaína, em 1.078 apreensões.

Segundo a PJ, em 2015, a quantidade de cocaína apreendida, pelas autoridades portuguesas, subiu pela segunda vez consecutiva, nos últimos cinco anos, alcançado o valor mais alto no ano passado, com um aumento de 62,3%, em relação a 2014, enquanto o número de apreensões (1.078) apresentou uma variação, em proporção, menos significativa (2,8%).

O aumento das quantidades de cocaína, em 2015, deveu-se, em particular, às apreensões feitas pela PJ - mais 2,368 toneladas do que em 2014 - o que, em termos percentuais, se traduziu num aumento de 72,1%.

"Igualmente relevante", de acordo com o relatório, foi o crescimento de quantidades apreendidas de cocaína pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (111%), GNR (24,7%) e PSP (20%).

Nas apreensões de cocaína, a via marítima continuou a ser a mais utilizada para o transporte de elevadas quantidades. Em 2015, verificou-se, em oito casos, o recurso a embarcações, representando 90,1% do total apreendido.

"A via aérea continua igualmente a ser comum no transporte de cocaína, embora as quantidades envolvidas sejam manifestamente inferiores às assinaladas no transporte por via marítima. No entanto, o número de apreensões envolvendo esta via supera largamente as realizadas na via marítima (193 apreensões para 8 apreensões)", adianta o relatório.

Quanto aos principais pontos de destino da cocaína apreendida, em função do número de apreensões e da quantidade, Portugal surge no topo (127 apreensões e 2.470 quilos), seguido de Espanha (39 apreensões e 159,04 quilos), Bélgica (24 apreensões e 44,38 quilos), França (cinco apreensões e 39,07 quilos), Holanda (cinco apreensões e 11,76 quilos) e Itália (quatro apreensões e 5,61 quilos).

Em 2015, a PJ confiscou 2.421,634 quilos de 'cannabis', em 4.154 apreensões, tendo a 'cannabis/liamba' somado 221,882 quilos, em 577 apreensões.

Em termos de quantidade apreendida, a heroína surge depois, com 96,576 quilos, em 755 apreensões, seguida da 'cannabis' (folhas), com 45,435 quilos (oito apreensões).

Um total de 2,448 quilos de anfetaminas, em 103 apreensões, consta ainda do relatório da PJ, à frente da 'cannabis' (sementes), com 0,693 quilos (25 apreensões).

Durante 2015, a PJ registou ainda apreensões de alucinogénios, 'cannabis' (óleo) e substâncias como alprazolam, ópio, 2C-B, morfina, LSD, Codeína, Fluzarepam, Buprenorfina, Metanfetamina e Metadona.

Relativamente a apreensões por unidades, o 'ecstasy' mantém-se como o estupefaciente com maior quantidade apreendida, seguindo-se as variantes de 'cannabis' - plantas e sementes.

Em 2015, foram apreendidos 50.857 comprimidos de 'ecstasy' (178 apreensões), 6.086 plantas de 'cannabis' (295 apreensões) e 5.766 'cannabis' (43 apreensões), assim como 2.021 selos de LSD (30 apreensões), entre outras substâncias como anfetaminas, metadona e alucinogénios (cogumelos).