A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu este ano cerca de 23 mil unidades de cigarros eletrónicos, num valor de 124 mil euros, indicam dados daquele organismo enviados à agência Lusa.
A ASAE instaurou este ano 52 processos de contraordenações e dois processos-crimes, que resultaram na apreensão das 23 mil unidades de cigarros eletrónicos, no valor global de 124 mil euros.

Segundo a ASAE, os cigarros eletrónicos foram apreendidos por falta de adesão ao sistema de gestão de embalagens “sociedade ponto verde”, falta de fornecimento ao Centro de Informação Antivenenos das menções obrigatórias, falta de tradução integral de rotulagem, utilização indevida da marcação CE, falta da designação química da nicotina e não conformidade de símbolos na rotulagem e falta de registo, no âmbito dos equipamentos elétricos e eletrónicos.

As apreensões resultaram das ações de fiscalização realizadas pela ASAE a 29 operadores de económicos, que colocam ou disponibilizam no mercado os cigarros eletrónicos.

No âmbito das suas competências, a ASAE é autoridade nacional que fiscaliza a comercialização das recargas para os cigarros eletrónicos, procedendo à verificação do cumprimento dos requisitos legais por parte dos operadores de económicos que colocam ou disponibilizam no mercado este tipo de produtos.

De acordo com a ASAE, a rotulagem e as embalagens destes produtos devem ter anexa informação correta, possuir avisos adequados em língua portuguesa e não devem incluir características suscetíveis de induzir em erro o consumidor, de modo a garantir a proteção da saúde e segurança.