A Assistência Médica Internacional (AMI) termina hoje o seu peditório anual de recolha de donativos, que permitirão ajudar as mais de 15 mil famílias carenciadas apoiadas pela organização.

Segundo a AMI, os valores angariados no 22.º Peditório de Rua, sob o lema «Antes que a casa de mais famílias seja a rua», terão como destino famílias que diariamente recorrem aos centros sociais da Fundação AMI.

No ano passado, a Assistência Médica Internacional (AMI) apoiou diretamente 15.802 pessoas, das quais mais de mil pediram ajuda por «necessidades relacionadas com a dificuldade em cumprir os compromissos financeiros que contraíram com a sua habitação».

Estas pessoas procuraram a AMI «para aliviar o orçamento e para a satisfação de necessidades básicas, nomeadamente alimentação», adianta a organização, que distribuiu mais de 620 toneladas de alimentos a mais de 8.500 famílias, em 2013.

Este ano, em que o peditório decorre de 08 a 11 de maio, a fundação centrou os esforços na resposta às necessidades apresentadas pelas famílias que procuram, nos equipamentos da organização, «cabazes alimentares, material escolar e apoio na procura de emprego».

A AMI registou, em média, 409 novos casos de pobreza por mês, em 2013, ano em que 4.912 pessoas procuraram pela primeira vez os apoios sociais da organização.

Dados da AMI indicam que 31% do total da população apoiada no ano passado se referem a novos casos de pobreza.

No ano passado, recorreram diretamente à AMI 15.802 pessoas, mais 0,2% face a 2012, o valor mais elevado em 19 anos de intervenção da organização em Portugal.