(ÚLTIMA ACTUALIZAÇÃO ÀS 16:00)

O julgamento do chamado «caso do envelope», que envolve Pinto da Costa, foi esta quarta-feira adiado depois de Carolina Salgado ter faltado, alegando necessidade de se deslocar para o Alentejo, onde reside actualmente, para junto dos filhos que se encontram sozinhos.

O tribunal agendou nova audição da principal testemunha da acusação para a próxima segunda-feira, da parte da manhã.

A próxima sessão do julgamento ficou agendada para sexta-feira, dia 6, altura em que o tribunal ouvirá três testemunhas indicadas por Pinto da Costa: o juiz conselheiro António Mortágua (ex-presidente do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol), Pôncio Monteiro (membro do Conselho Sueprior do FC Porto)e Antero Henrique (director-geral da SAD do FC Porto).

Na mesma data, e a requerimento do procurador, será ainda ouvido Perdigão da Silva, árbitro auxiliar de Augusto Duarte no jogo Beira-Mar-F.C. do Porto.

Para dia 10, o tribunal agendou a audição de Ana Maria Salgado, irmã de Carolina, Fernanda Freitas, autora do livro «Eu, Carolina» e Paulo Lemos, antigo namorado de Carolina.

Recorde-se que Carolina Salgado faltou esta manhã ao julgamento para se deslocar ao Instituto de Medicina Legal do Porto, a fim de realizar os exames no âmbito da agressão de que foi alvo, ontem à tarde, à porta do Tribunal de Gaia. Saiu por volta das 10:55 e seguiu para o Alentejo, alegando que os filhos se encontravam sozinhos.

O tribunal adiara, então, o início da sessão para as 14:30 desta quarta-feira, mas a advogada da testemunha, Raquel Dantas, em declarações ao site do TVII24 referiu que «se o julgamento for marcado para a tarde, quase de certeza que a dona Carolina não comparecerá porque terá de regressar ao Alentejo para junto dos filhos», justificou.

O tribunal deveria continuar esta manhã a ouvir a testemunha no âmbito do processo relativo ao jogo Beira-Mar/F.C. do Porto, da época 2003/04.

Carolina Salgado, principal testemunha do processo, que envolve Pinto da Costa, foi alvo de insultos e de uma agressão por parte de uma popular, à saída do Tribunal de Vila Nova de Gaia. Faltou à sessão da tarde para ser assistida no Hospital de Gaia e apresentou queixa-crime contra a agressora.

Pinto da Costa nega ter dado dinheiro a Augusto Duarte

A ex-companheira de Pinto da Costa abandonava as instalações do tribunal quando foi agredida por uma jovem de 26 anos. «Mandei-lhe uma estalada», assumiu Marisa Marques aos jornalistas, depois de ter sido identificada por elementos da esquadra da PSP de Oliveira do Douro.

Veja aqui o vídeo

Pinto da Costa começou terça-feira a ser julgado, no Tribunal de Gaia, no «caso do envelope», do Apito Dourado, referente ao jogo Beira-Mar/F.C. Porto, da época 2003/04, em que o arguido é acusado de entregar 2500 euros ao árbitro Augusto Duarte para beneficiar o clube do Dragão.

O presidente do Futebol Clube do Porto responde por um crime de corrupção desportiva activa. Pelo mesmo crime responde também o empresário de futebol António Araújo. Por seu lado, o árbitro Augusto Duarte é acusado pelo crime na forma passiva.