NOTÍCIA ACTUALIZADA ÀS 17:30

Carolina Salgado, principal testemunha do chamado «caso do envelope» no Apito Dourado, que envolve Pinto da Costa, foi alvo de insultos e de uma agressão por parte de uma popular, à saída do Tribunal de Vila Nova de Gaia. Faltou à sessão da tarde para ser assistida no Hospital de Gaia e ainda hoje deverá formalizar uma queixa-crime contra a agressora, referiu ao site TVI24 o advogado da testemunha, José Dantas.

Pinto da Costa nega ter dado dinheiro a Augusto Duarte

A ex-companheira de Pinto da Costa abandonava as instalações do tribunal quando foi agredida por uma jovem de 26 anos. «Mandei-lhe uma estalada», assumiu Marisa Marques aos jornalistas, depois de ter sido identificada por elementos da esquadra da PSP de Oliveira do Douro.

Veja aqui o vídeo

Carolina Salgado seguia protegida por elementos do corpo de segurança pessoal da PSP não evitou ser agredida na face e na cabeça, na presença daqueles e de outros elementos da mesma polícia.

De acordo com os relatos no local, cerca de uma dezena de pessoas, maioritariamente mulheres, dirigiu insultos à testemunha, tendo a autora da agressão «gabado» o seu gesto para quem a quisesse ouvir.

Mais tarde acabaria por ser levada para o interior do tribunal por agentes da PSP, enquanto lhes dirigia insultos.

A testemunha faltou à sessão da tarde e encontra-se no Hospital de Santos Silva, em Gaia, onde, segundo o seu advogado, iria realizar uma TAC.

Também a irmã de Carolina, Ana Maria Salgado, faltou à sessão da tarde. A testemunha arrolada pela defesa de Pinto da Costa apresentou-se no edifício do tribunal mas pediu aos elementos da polícia que informassem a juíza de que não se apresentava em condições psicológicas para depor.

O julgamento prosseguiu com a audição do árbitro auxiliar do jogo Beira-Mar/F.C. do Porto, Domingos Vilaça, que garantiu não ter sentido qualquer pressão do árbitro (e arguido) Augusto Duarte. «Absolutamente zero», assegurou. «Pressão, só na panela», brincou ainda.

A juíza ordenou a notificação de Carolina, pelo telefone, para que compareça no tribunal amanhã, pelas 9:30, para continuar o depoimento.

Pinto da Costa começou esta terça-feira a ser julgado, no Tribunal de Gaia, no «caso do envelope», do Apito Dourado, referente ao jogo Beira-Mar/F.C. Porto, da época 2003/04, em que o arguido é acusado de entregar 2500 euros ao árbitro Augusto Duarte para beneficiar o clube do Dragão.

O presidente do Futebol Clube do Porto responde por um crime de corrupção desportiva activa. Pelo mesmo crime responde também o empresário de futebol António Araújo. Por seu lado, o árbitro Augusto Duarte é acusado pelo crime na forma passiva.