“Que não façam contas, que não façam cálculos para saber se podem ou não beber mais. Simplesmente, se conduzirem, não bebam. Está estudado que um em cada três mortos em acidentes de viação conduzia com taxa ilegal de álcool no sangue, daí a nossa preocupação”, disse.