Mais de 200 bombeiros profissionais aprovaram este domingo, por unanimidade, em congresso nacional, um pedido de demissão da ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, avisando que poderão optar pela greve.

Os participantes no Congresso Nacional dos Bombeiros Profissionais (que inclui sapadores, municipais, de associações humanitárias e da força especial) consideram que o setor vive “constantes e graves problemas”.

Perante o cenário, o Ministério da Administração Interna não tem sabido “zelar pelos direitos e interesses dos bombeiros”, criticam, em comunicado.

A ministra, que ainda não recebeu a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, é acusada de “indiferença” face ao setor.

Anabela Rodrigues “não aplicou o que foi acordado pelo ex-ministro da Administração Interna [Miguel Macedo] e seu ministério, que se comprometeu a publicar o novo estatuto profissional”.

Ao mesmo tempo, “não aprovou o desbloqueamento das carreiras” e “não reconheceu o regime específico de aposentação para todos os bombeiros profissionais", refere o documento.

Anabela Rodrigues também “não reconhece a atividade dos bombeiros como profissão de risco e desgaste rápido”, lamentam.

No comunicado, os bombeiros avisam que, “se a ministra continuar a não [os] ouvir”, pretendem “avançar para todas as formas de luta possíveis, incluindo uma greve nacional”.

A crítica estende-se ao primeiro-ministro, pela “inércia” e por não se preocupar “com a segurança das populações”.

Os bombeiros acusam o Governo de negar o financiamento necessário às câmaras municipais e de não desbloquear a progressão na carreira e o preenchimento dos quadros, destacando que “há uma enorme falta de efetivos para a prestação plena do socorro”.