“Tudo era feito com a ordem do graduado que estivesse naquele dia. Se não estivesse um graduado, não se podia fazer nada”, afirmou perante o tribunal um dos soldados acusados, reiterando que “não se fazia nada sem um graduado presente”.