A Polícia de Segurança Pública fez um reforço inédito da segurança em zonas turísticas de Lisboa, sabe a TVI.

Este reforço de policiamento, que nunca tinha acontecido até hoje, deve-se a ameaça indeterminada.

Recorde-se que a Câmara Municipal de Lisboa decidiu colocar barreiras de segurança no Chiado, Rua Augusta e Belém, “tendo em vista a proteção de zonas com elevada afluência de pessoas”.

Estas medidas surgiram poucos dias depois dos ataques terroristas na Catalunha, que fizeram um total de 14 mortos e 135 feridos, com a utilização de viaturas que atropelaram pessoas indiscriminadamente.

A Secretária-Geral do Sistema de Segurança Interna garantiu hoje que Portugal não alterou o nível de ameaça terrorista e que este "se mantém em grau moderado".

Portugal não alterou o grau de ameaça, que se mantém em moderado", informou em comunicado o serviço dirigido por Helena Fazenda.

A Secretária-Geral do Sistema de Segurança Interna informa ainda que "todas as forças e serviços de segurança que integram a Unidade de Coordenação Antiterrorismo estão a trabalhar em completa articulação e em cooperação com as suas congéneres, acompanhando o contexto internacional no âmbito da ameaça terrorista".

Contactada pela agência Lusa, Helena Fazenda explicou que o comunicado foi emitido porque estavam a circular "rumores" sobre a subida dos níveis de alerta contra o terrorismo em Portugal.

PSP nega "identificação de risco"

O porta-voz da direção nacional da PSP assegurou hoje que "não há identificação de qualquer risco ou ameaça terrorista" em Portugal, apesar de medidas preventivas adotadas devido a eventos de verão que se realizam neste fim de semana.

Da parte da PSP, não há identificação de qualquer risco ou ameaça em termos de terrorismo", disse à agência Lusa o Intendente Hugo Palma.

Segundo o mesmo responsável, o que aconteceu foi que a direção nacional da PSP decidiu "reforçar, a nível nacional, a atenção para as medidas preventivas nessa matéria", tendo em vista alguns eventos.

Aproxima-se um fim de semana com muitos eventos", observou Hugo Palma, sublinhando que as medidas preventivas preveem o alargamento dos perímetros de segurança em redor dos acontecimentos, com colocação de barreiras específicas.

O porta-voz da PSP diz que "não surgiu nada de novo" e que o objetivo é "recentrar a atividade policial" nos locais onde existe maior concentração de pessoas, nesta fase final do verão, altura do ano em que também são reforçadas o patrulhamento e a fiscalização rodoviária em todo o país.

Além das medidas referidas e do policiamento de segurança mais visível nesses eventos, estarão no terreno "equipas à civil" da PSP.