A comissão de trabalhadores (CT) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) pediu esclarecimentos sobre o encerramento no período noturno no serviço de ambulâncias de emergência médica (AEM) em Viseu, na Covilhã e em Aveiro.

Numa carta enviada ao conselho diretivo do INEM, a CT refere ter sabido “que a AEM Viseu 3 encerrou no período noturno e que as AEM Covilhã e AEM Aveiro vão encerrar nos períodos noturnos”.

Segundo a CT, tal acontece “devido a uma alegada pressão por parte dos corpos de bombeiros das respetivas áreas, que terão ameaçado entregar as ambulâncias/postos de emergência médica”.

Atendendo a que o secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde “afirmou perentoriamente que considera que os parceiros do INEM, neste caso os bombeiros, existem em complementaridade ao INEM, e não o contrário”, e que o vogal do conselho diretivo José Mestre “garantiu que não se iria realizar nenhuma mudança sem diálogo prévio” com a CT, esta pede esclarecimentos.

A CT quer saber se o conselho diretivo do INEM “vai ceder às pressões dos corpos de bombeiros e encerrar as AEM Aveiro e AEM Covilhã no período noturno (esta última cuja atuação está já limitada por indicações da diretora regional do Centro)”.

“O conselho diretivo do INEM cortou relações com a comissão de trabalhadores?”, diz também.


A CT recorda os argumentos do presidente do INEM “de que a AEM Covilhã abriu porque os bombeiros se recusavam a efetuar diversos serviços CODU (centro de orientação de doentes urgentes) e que a abertura da AEM era uma oportunidade única para o INEM”.

Lembra ainda que “a AEM abriu num espaço de tempo de tal forma curto que obrigou à deslocação de diversos profissionais, sem aviso prévio, trazendo consequências para as suas vidas pessoais devido à ‘necessidade imperiosa de serviço’ que o INEM invocou”.

“Parece existir uma pressão inaceitável de alguns corpos de bombeiros, mas o cidadão, os trabalhadores do INEM e o socorro não fazem política”, sublinha.

A CT avisa que, “caso não haja um recuo”, irá interpor uma providência cautelar contra o fecho destes meios “e de qualquer outro que tenha os mesmos pressupostos e que coloque em causa condições e postos de trabalho, como é agora o caso”.


“Nada nos irá demover de defender os postos de trabalho que agora foram colocados em causa”, garante à Lusa.


INEM lamenta que se queira criar mal-estar com corpos de bombeiros


O INEM lamentou que se queira criar “mal-estar” entre esta instituição e os corpos de bombeiros, depois de a comissão de trabalhadores ter pedido esclarecimentos sobre o encerramento noturno de ambulâncias de emergência médica na região Centro.

Em resposta, o INEM disse querer contrariar esta tentativa de criar mal-estar entre as partes e referiu que o Sistema integrado de emergência médica “é uma entidade em que todos contribuem, de forma solidária, e cada um na sua vertente, para o socorro e a emergência médica da população portuguesa”.

“E lembramos, mais uma vez, que as ambulâncias AEM do INEM e as ambulâncias de socorro, constituídas como postos PEM [postos de emergência médica] dos bombeiros, desempenham funções semelhantes”, indicou o instituto nacional.


O INEM disse ainda não estar em causa nenhum posto de trabalho e fala da intenção de aumentar em 85 o número de técnicos, já em setembro, e de ter já solicitado a abertura de concursos para mais 100, refere a Lusa.