A Polícia Judiciária vai encaminhar para o Ministério Público o caso das três raparigas que alegadamente simularam um sequestro numa habitação em Amares apenas para terem uma «desculpa» para faltarem às aulas, informou hoje fonte daquela força.

A fonte disse à Lusa que as raparigas poderão ser acusadas por simulação de crime.

As raparigas foram encontradas pela GNR no interior de uma casa em Amares, alegadamente atadas e de olhos vendados.

A casa em questão pertence a uma família que está emigrada, pelo que os vizinhos, ao verem movimentações no local, deram o alerta à GNR, pensado que se poderia tratar de um assalto.

A GNR entrou na casa e deparou com as três raparigas, todas «na casa» dos 16 anos, que contaram que foram para ali levadas «à força» por um grupo de homens.

«Pintaram um quadro de alguma credibilidade, provocando um alarido imenso e levando a GNR a montar um dispositivo enorme. Mas agora está tudo esclarecido, foi tudo inventado», referiu hoje a fonte da PJ.

O caso vai ser participado ao Ministério Público.