O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), Almeida Rodrigues, espera que a dotação orçamental, que vai ser atribuída àquela polícia em 2014, lhe permita «cumprir a sua missão» de prevenção e investigação criminal.

Almeida Rodrigues disse aos jornalistas que, até agora, o orçamento atribuído à PJ tem permitido a esta polícia «funcionar», embora «com cautelas», pelo que espera que a dotação orçamental para 2014 seja suficiente para que esta polícia, que hoje completou 68 anos, cumpra a sua missão.

O diretor nacional da PJ falava no final da cerimónia comemoratova dos 68.º aniversário da PJ, que decorreu em Loures, na presença da procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, e do secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, Antero Luís, tendo a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, faltado por motivos de saúde.

Almeida Rodrigues reiterou aos jornalistas a necessidade de a PJ preencher os lugares de inspetor-chefe, coordenador e coordenador superior ao nível da brigada, que é uma «unidade estruturante» desta polícia de investigação criminal.

O diretor nacional da PJ sublinhou que é também necessário «corrigir assimetrias remuneratórias» de trabalho que é prestado fora do horário normal de serviço, e manifestou abertura para que prossigam as negociações com as estruturas sindicais dos funcionários daquela polícia, para se discutirem as diversas questões salariais e de carreira.

No exterior da Escola de Polícia, no Barro, Loures, onde decorreu a cerimónia, elementos da associação sindical dos funcionários da investigação criminal (ASFIC), incluindo o seu presidente, Carlos Garcia, distribuíram uma carta aberta à ministra da Justiça e à direção da PJ, com as principais reivindicações da classe, a alertar para a falta de condições dignas de trabalho e de remuneração.