Uma em cada 14 famílias portuguesas pode não conseguir comprar alimentos suficientes por falta de dinheiro, segundo dados da Direção-geral da Saúde divulgados esta quinta-feira.

O coordenador do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, Pedro Graça, reconheceu que este dado é preocupante, embora indique que pode não ser o retrato fiel de todos os portugueses, uma vez que o inquérito que permite aferir estes dados é feito apenas a utilizadores do Serviço Nacional de Saúde.

A prevalência de famílias com insegurança alimentar grave desceu de 8,8% em 2012 para os 6,6% em 2014, enquanto a insegurança alimentar moderada cresceu de 81,% para 9,5%, de acordo com dados do relatório “Portugal – Alimentação Saudável em Números 2015”.

O coordenador do Programa da Direção-geral da Saúde referiu que as famílias com dificuldades de acesso a alimentos conseguem ser identificadas, permitindo às autoridades agir com mais qualidade no apoio de que necessitem.

Em linhas gerais, serão famílias com menos escolaridade e sobretudo residentes nas regiões do Algarve e de Lisboa e Vale do Tejo.

Pedro Graça sublinhou também que a insegurança alimentar pode coexistir com o excesso de peso, lembrando que os alimentos muito calóricos e menos saudáveis se tornaram uma alimentação barata e disponível.

Os novos pobres sabem lidar menos bem com a pobreza e serão mais afetados pela insegurança alimentar” do que as famílias que há anos lidam com a mesma realidade e que têm já sistemas de apoio mais estruturados, como o recurso a bancos alimentares.

Quanto à obesidade, em 2014, mais de metade da população portuguesa (52,8%) com 18 ou mais anos tinha excesso de peso. O aumento da obesidade verificou-se sobretudo no sexo feminino e na população com idades entre 45 e 74 anos.

Já nas crianças e adolescentes, o excesso de peso parece estar a estabilizar ou mesmo a reduzir-se quando se comparam valores de 2008 com 2013. Contudo, Portugal continua a ter uma prevalência de jovens com excesso de peso superior à média europeia.

 

Baixo consumo de leite e leguminosas

 O consumo de leite em Portugal voltou a sofrer uma redução em 2014, uma tendência que se mantém desde 2009. Considerado pela própria DGS como um “super alimento de baixo custo”, o grupo do leite e derivados sofreu de 2013 para 2014 uma diminuição de 2,6%.

De registar a redução consecutiva da disponibilidade do leite e seus derivados desde 2009 e a baixa e estável disponibilidade de leguminosas ao longo dos últimos cinco anos, apesar da divulgação regular das suas vantagens nutricionais e fornecimento de proteína a baixo custo”, refere o relatório “Portugal – Alimentação Saudável em Números 2015”.

Durante a apresentação do documento, o coordenador do Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável, Pedro Graça, sublinhou o “consumo baixíssimo” de grão e feijão – alimentos considerados saudáveis e completos - , lembrando que são produtos “sem marcas” e, por isso, “sem padrinhos” que os promovam ou lhes façam publicidade.

Preocupante, segundo o responsável, é ainda o indicador que mostra que aumentou, entre 2002 e 2014, o número de adolescentes que raramente ou nunca comem hortícolas e fruta.

Em 2002, 5,7 por cento dos adolescentes raramente ou nunca consumiam fruta e 11,7% não comiam fruta, enquanto em 2014 esses valores passaram, respetivamente, para 9% e 14,6%.