Outono é sinónimo de castanhas, mas também de outras frutas. Vale a pena conhecê-las e diversificar as formas de consumo.

A nutricionista Ana Rita Lopes, convidada do Diário da Manhã da TVI desta quarta-feira, trouxe um cabaz cheio de frutas da época: laranjas, tangerinas, marmelos, romãs. Fruta que se encontra, por esta altura, “a um custo mais reduzido, em maior abundância, e que parece que está destinada efetivamente para a época em que aparece”. Ana Rita Lopes concretiza: “São frutas com vitamina C que nos ajudam no combate a gripes e constipações que são tão frequentes” nesta altura.

“Laranjas e tangerinas são riquíssimas em vitamina C. E, também, o dióspiro, que para além de ser [uma fruta] rica em vitamina C, é rica em caratenoides, que lhe confere esta cor alaranjada, tem poder antioxidante e poder anticancerígeno”, acrescenta a nutricionista. Neste sentido, Ana Rita Lopes destaca igualmente do cabaz a romã, “rico em antioxidantes, com baixo teor calórico e propriedades anticancerígenas, [que] tem vindo a ser estudado como fruto muitíssimo interessante”.

As calorias podem condicionar o consumo de algumas destas frutas de época, reconhece a nutricionista. É o caso do dióspiro, que “assusta pelo seu teor em açúcar, fruto que tem imenso interesse porque só existe nesta época, mas que, de forma moderada, deve ser consumido”. O mesmo acontece com as nozes ou as amêndoas, em que basta “uma mão cheia” por dia.

O marmelo também é um “fruto muito interessante”, pelas suas características “antioxidantes e fibra”. Tipicamente consumido em doce e geleia, a nutricionista adverte que “cozinhado perde propriedades”, pelo que o cosumo de qualquer “fruta fresca é sempre preferível”.


Os pais devem dar o exemplo


“Quando falamos em fruta, falamos sempre em alimentos com muito interesse nutricional. Portanto, falamos de alimentos ricos em fibra, em água,em vitaminas antioxidantes, potássio, magnésio”, enumera a nutricionista.
Vantagens que não são, todavia, apelativas aos olhos das crianças. Ana Rita Lopes dá a receita: “Os pais e os adultos são exemplo”, pelo que as crianças tendem a imitar os pais, logo, se os virem a comer fruta, tenderão a comer também.

O processo de pôr os mais novos a comer fruta pode passar por “brincar com as frutas” e diversificar o seu uso. Por que não um “puré de castanhas”, em vez do arroz ou da massa, sugere a nutricionista.