As polícias britânica e portuguesa interromperam hoje, cerca das 12:30, os trabalhos de prospeção num terreno perto da praia da Luz, na procura de indícios sobre o desaparecimento de Medelleine Mccann, em maio de 2007.

No oitavo dia de buscas, as autoridades estão agora concentradas num local situado a cerca de 300 metros da praia da Luz, afastado da estrada que liga esta localidade à estrada nacional 125.

O terreno, que integra casas aparentemente abandonadas e que foi anteriormente vedado pela Guarda Nacional Republicana (GNR), está agora restringido a uma pequena área onde os investigadores concentram as suas atenções.

Os responsáveis policiais no local escusaram-se a prestar quaisquer esclarecimentos sobre os trabalhos em curso, os quais prosseguem durante a tarde de hoje, prevendo-se que até sexta-feira seja também inspecionado um outro terreno, também nas imediações da praia da Luz.

Trata-se da segunda fase de buscas por indícios que esclareçam as circunstâncias do desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann e que abrange locais fora da zona urbana da Praia da Luz.

Durante sete dias, dezenas de elementos das polícias britânica e portuguesa, da GNR, dos bombeiros sapadores florestais e outros técnicos concentraram-se num terreno de vários hectares na zona do miradouro da Praia da Luz.

O primeiro terreno a ser inspecionado situa-se aproximadamente a 500 metros do apartamento onde a família McCann passava férias em 2007, no empreendimento Ocean Club, na Praia da Luz, Lagos.

A operação das polícias britânica e portuguesa estaria inicialmente prevista para durar cerca de uma semana e terminar na sexta-feira, mas o prazo foi estendido.

Além dos cães pisteiros levados pelas autoridades inglesas, já foram utilizados nas buscas aparelhos para sondar o terreno, tendo igualmente sido vistoriada parte do sistema de esgotos da povoação.

As operações de busca por indícios que ajudem a desvendar as circunstâncias do desaparecimento de Madeleine acontecem sete anos depois da menina inglesa ter desparecido.

A menina desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos.