A Polícia Marítima está a investigar um furto no posto de venda de bilhetes da carreira marítima de Olhão para as ilhas-barreira, de onde foram retirados 1.500 euros e milhares de bilhetes, informou aquela autoridade esta quarta-feira.

Em declarações à Lusa, o comandante da capitania do porto de Olhão, Pedro Nunes Ferreira, adiantou que os três suspeitos do furto estão referenciados, embora ainda se aguardem os resultados laboratoriais aos indícios recolhidos no local, nomeadamente as impressões digitais.

Do quiosque, situado na zona ribeirinha da cidade, foram furtados três cofres contendo aproximadamente 1.500 euros, na sua maioria em moedas, e 5.200 bilhetes, embora a Polícia Marítima tenha conseguido recuperar 80% dos bilhetes, abandonados pelos autores do furto, nas imediações, dentro de um saco.

Dois dos cofres, um manual e um eletrónico, foram também recuperados próximo do quiosque, embora já vazios e com sinais de arrombamento, acrescentou Nunes Ferreira.

Segundo o responsável, foi também possível localizar uma casa, na cidade, onde os cofres terão sido arrombados.

O furto ocorreu na madrugada de terça-feira e o alerta foi dado poucas horas depois, por uma funcionária.

As autoridades calcularam o prejuízo em cerca de 8.000 euros, atendendo a que foram também furtados alguns bens dos funcionários das empresas de transportes.

A Polícia Marítima teve a colaboração da PSP de Olhão durante as diligências e na inspeção lofoscópica (estudo das impressões digitais).​