Alexia Silva Costa, de 15 anos, desapareceu a 1 de fevereiro na ilha de Oléron, situada na costa atlântica de França.

Filha de pais portugueses, a jovem foi vista pela última vez, às 17:30 desse dia, quando saía da escola. Nesse mesmo dia, Alexia chegou a trocar mensagens com um amigo, mas desligou o telemóvel pouco depois. 

O corpo foi encontrado na quinta-feira à tarde, escondido por arbustos num parque florestal localizado a cerca de um quilómetro da escola.

De acordo com a imprensa francesa, os testes de ADN confirmaram as suspeitas, uma vez que a fisionomia do cadáver e as roupas correspondiam às da adolescente.

Os resultados preliminares da autopsia não indicam que Alexia tenha sofrido agressões sexuais, sendo necessários mais exames para apurar as causas da morte. No entanto, o Ministério Público francês abriu uma investigação por homicídio, uma vez que o corpo estava dissimulado por plantas.

Ao longo de 40 dias, a fotografia da jovem luso-descendente foi espalhada pelas localidades mais próximas e polícia, voluntários e moradores participaram nas buscas por Alexia.