A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) confirmaram esta quinta-feira a «elevada abundância de microalgas» no mar das praias de Carcavelos (Cascais) e da Torre (Oeiras), desaconselhando a ida a banhos.

Segundo um comunicado da APA, na sequência de várias queixas por parte dos banhistas após saírem do mar nas praias de Carcavelos e da Torre, que levaram à proibição da ida a banhos na quarta-feira, foram realizadas amostras extraordinárias à água pelos dois organismos.

«Nas amostras recolhidas foram identificadas espécies de fitoplâncton (microalgas) que, pela sua morfologia e em elevada abundância, se supõe que possam provocar um efeito irritante ao contacto. A presença destas espécies em concentrações elevadas está normalmente associada a elevadas temperaturas», esclarece a APA em comunicado.

A entidade ambiental refere que está ainda a decorrer a análise quantitativa das amostras, para determinar se ocorreu um crescimento de fitoplâncton excecional que requeira a adoção de medidas de precaução adicionais.

Além disso, a APA informa que «não foram identificadas descargas ativas de efluentes e que a monitorização da qualidade da água efetuada pela SANEST [Saneamento da Costa do Estoril], no mesmo dia de manhã, antes das queixas dos banhistas, revela valores normais em termos microbiológicos».

Contudo, apesar de já ter sido levantada a interdição, e tal como já tinham comunicado a Câmara de Cascais e a Polícia Marítima do concelho de Cascais em relação a Carcavelos, também as autoridades competentes recomendam que, por precaução, seja evitada a prática de banhos de mar.

«A APA, em articulação com as demais autoridades, continuará a acompanhar a situação até ser reposta a normalidade, mantendo os cidadãos informados», concluiu.

A Praia de Carcavelos esteve, na quarta-feira à tarde, interdita a banhos, depois de duas dezenas de banhistas terem apresentado «queixas de prurido», segundo a Polícia Marítima.