A quantidade chuva que caiu no domingo na zona entre Portimão e Olhão foi inferior a máximos históricos registados e deveu-se a uma depressão centrada no norte de África, informou esta quarta-feira o Instituto do Mar e da Atmosfera.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a zona mais afetada pela forte chuva que caiu domingo foi a linha entre Portimão e Olhão, com Albufeira e Quarteira a serem as zonas mais afetadas.

“Estima-se que o valor da precipitação ocorrida entre as 04 e 14 horas em Albufeira e Quarteira tenha variado entre 106 e 139 milímetros, com um valor médio estimado de 122 milímetros”, refere em comunicado o IPMA.


O instituto refere que nas suas estações meteorológicas automáticas do aeroporto de Faro e de Portimão os “máximos horários de precipitação observados foram de 11 milímetros em Portimão às 11 horas e de 20 milímetros em Faro às 12 horas, tendo aquela estação registado um valor máximo de 74 milímetros em seis horas, entre as 06:00 e as 12:00”.

O IPMA indica também que na estação meteorológica automática do aeroporto de Faro o “máximo histórico horário é cerca de 3,4 vezes superior ao observado no presente episódio e que os máximos históricos de seis horas e de 24 horas são cerca de 1,5 vezes superiores aos observados”.

“Na estação de Portimão os máximos históricos horários em seis horas são cerca de duas vezes superiores aos observados naquele episódio e o máximo histórico de 24 horas é cerca de 1,3 vezes superior ao observado”, acrescenta o IPMA.


A medição da pluviosidade exprime-se em milímetros de altura (mm) ou em litros por metro quadrado (l/m2). A cada litro por metro quadrado corresponde a um milímetro de altura.